quinta-feira, 23 de março de 2017

AS RAZÕES PARA O FRACASSO DAS METAS PROFISSIONAIS

Confira os erros que podem estar atrapalhando muita gente na hora de alcançar seus objetivos de carreira, sejam eles quais forem


 Metas precisam ser razoáveis, diz Ferreira, diretor executivo da 4hunter

Um curso, uma pós-graduação, administrar melhor o tempo, participar de um projeto importante, conseguir um cargo de gestão ou conquistar um emprego melhor. No papel, as metas profissionais anunciam a possibilidade de ascensão na carreira, de mais qualidade de vida e satisfação profissional.
Mas, para algumas pessoas, os objetivos vão ficando pelo caminho, empoeirados em um caderno no fundo da gaveta. Resultado: o tempo passa e nada do que você prometeu é cumprido. Por que isso acontece? Confira o que atrapalha muitos profissionais quando o assunto é cumprir seu plano de metas:

1 Não enxergar a diferença entre emprego e carreira
“Quem não tem entendimento a respeito da diferença entre emprego e carreira não tem consciência de metas”, diz Carlos Felicíssimo Ferreira, consultor de carreira e diretor executivo da 4hunter.
Ou seja, quem vê sua trajetória profissional como um apanhado de empregos é um forte candidato a não cumprir objetivos. “Essa pessoa não enxerga a evolução com um planejamento de carreira”, diz Ferreira.
O plano de carreira é uma referência de onde você está e aonde quer chegar. É como uma bússola que orienta o caminho a ser trilhado.
Com ele, fica mais fácil ter motivação para se inscrever em um curso, garantir um novo diploma ou se oferecer para liderar um projeto importante na empresa porque você sabe que estas são etapas necessárias para atingir o sucesso a que se propôs.
Sem o plano, fica mais difícil compreender a importância dessas metas, o que as torna vazias. Os objetivos simplesmente não fazem tanto sentido assim quando a visão da trajetória não é ampliada.

2 Objetivos abstratos ou inatingíveis
Muita gente peca pelo excesso. “As metas precisam ser razoáveis”, afirma Ferreira. Ao listar um curso de MBA, a participação em um grupo de estudos, a liderança de uma equipe no trabalho, um salário três vezes maior do que o atual e a retomada de um projeto engavetado há anos como objetivos a serem atingidos talvez você não esteja sendo realista consigo mesmo.
Se o volume de metas fosse menor, talvez fosse possível. Que tal se inscrever no MBA e deixar para liderar a equipe após a conclusão do curso? Você pode até ter pique para começar tudo ao mesmo tempo, mas mantê-lo vai exigir um esforço sobrenatural e, cansado, o seu rendimento no trabalho pode cair. Com fraco desempenho, garantir a tão sonhada promoção vai ser impossível.
Objetivos abstratos também são fortes candidatos a não saírem do papel. Colocar sucesso profissional ou qualidade de vida na sua lista de metas é contraproducente. Em vez disso, opte por coisas mais palpáveis, como, por exemplo, desenvolver aquele projeto que vai alavancar o seu departamento ou negociar com o chefe mais flexibilidade no horário de trabalho.

3 Não saber como trazer as metas para a realidade
Você estipulou que neste ano vai sair do patamar técnico e assumir um cargo de gestão. Essa é a sua meta. Tudo bem, mas como você vai chegar lá, qual o caminho a ser traçado? Se você não souber o que deve fazer, será impossível conseguir.
Conversar com quem é mais experiente poderia ajudar, segundo Ferreira. “Quando se escolhe um mentor, a pessoa conversa de tempos e tempos com ele que vai trazer questionamentos pela sua experiência”, diz. O primeiro passo é entender o caminho percorrido pelo seu mentor para, então, adaptá-lo ao seu mundo. “O ponto é saber tangibilizar”, diz Ferreira.

4 Deixar os objetivos a cargo de outras pessoas
Muitas vezes, os objetivos não são cumpridos porque estavam atrelados a outra pessoa. Por exemplo, um projeto seu e do seu colega que não decola porque ele foi promovido e não falou mais no assunto. Talvez tenha faltado inciativa da sua parte também.
Para cumprir uma meta que não depende apenas de você é preciso monitorar todas as partes envolvidas. “É preciso saber gerenciar a sua expectativa e a outra pessoa também”, diz Ferreira. Manter o controle e o monitoramento da situação é essencial nesses casos.
“A pessoa também tem que ter o comportamento de ir buscar, porque uma série de variáveis pode jogar contra o seu planejamento, o que pode requerer uma mudança de estratégia”, diz Ferreira.

Por Camila Pati
Fonte Exame.com