segunda-feira, 6 de março de 2017

PROBLEMAS COM INFILTRAÇÃO?

A IMPERMEABILIZAÇÃO PODE RESOLVER AS INFILTRAÇÕES DE SEU CONDOMÍNIO

Infiltrações e rachaduras são indícios de que algo está errado. As chuvas fortes e de vento podem trazer grandes problemas para os edifícios, nos quais a água penetra pelas frestas, trincas e fissuras, podendo causar problemas. Segundo a Defesa Civil, as infiltrações têm duas causas principais: vazamento em algum ponto da rede hidráulica e deficiência da impermeabilização do teto. 
Esse problema atinge quase todos os condomínios e pode ser identificado primeiramente pelo próprio síndico, mas, em seguida, necessita de avaliação técnica e vistoria. Uma das soluções para resolver os problemas com infiltração é a impermeabilização, que, além de solucionar o impasse, acaba protegendo a estrutura do prédio.
A impermeabilização é uma técnica que consiste na aplicação de produtos específicos, com o objetivo de proteger as diversas áreas de um imóvel contra a ação de águas que podem ser de chuva, lavagem, banho ou outra origem. O processo pode ser realizado em diversas superfícies com características diferentes, como laje, telhado, cisterna, caixa-d'água e subsolo. Em cada caso é necessário um estudo preliminar da superfície, dos destinos a que se reserva cada área; em cada caso o material a ser utilizado vai variar de acordo com a necessidade.
De acordo com o sócio-gerente da empresa Engeplan, Paulo César Lima, especializada em reformas prediais, o processo de impermeabilização mais utilizado para lajes em geral é a manta asfáltica com proteção mecânica. "Se for usada uma manta de primeira linha, com um bom teste de estanqueidade, o resultado atinge 100% das expectativas", destacou. Os sistemas de impermeabilização não duram para sempre e têm vida útil. "Além de possuírem um custo bem razoável, considerando o resultado final, a garantia do produto é de cinco anos. Outra vantagem é que não necessitam de manutenção, apenas limpeza periódica", completou Lima.

CONTRATANDO O SERVIÇO
Segundo o Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI), quando o procedimento é feito de forma correta, com produtos e serviços adequados, por empresas idôneas, o custo de uma impermeabilização atinge, em média, 2% do valor total da obra. Se for executada apenas depois de serem constatados problemas com infiltração na edificação já pronta, a impermeabilização ultrapassa, e muito, esse percentual, envolvendo até valores em torno de 10% do custo total da obra.
Antes de contratar a empresa veja se ela faz inspeção no local e faça mais de uma cotação. Isso pode trazer economia e reduzir custos. As áreas que apresentam umidade e vazamento devem ser avaliadas e, no orçamento, deve constar o material que será utilizado. Muitas vezes, a obra diagnosticada pelo condomínio atua apenas nos sintomas do problema, sem eliminar a causa. É de extrema importância também que os produtos utilizados para impermeabilização estejam de acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Segundo o técnico de edificações Dario Lima, não basta saber quais produtos existem no mercado, mas buscar ajuda de um profissional qualificado.
"Hoje existem muitos produtos e empresas especializadas nesse segmento. É importante consultar um especialista na área. Existem diversos tipos de impermeabilização e variadas soluções. Cabe a um profissional orientar o cliente quanto à melhor aplicação do material disponível", lembrou o técnico.
Além das mantas asfálticas, citadas anteriormente, que são muito utilizadas em áreas molhadas como laje, terraço, banheiro, cozinha e varanda, existem também as mantas frias. Enquanto as mantas asfálticas são aplicadas com o auxílio de maçarico, para aquecer a base e a manta, fazendo com que as superfícies se unam por meio da flexão, as mantas frias não necessitam de preaquecimento. Elas podem ser asfálticas autoadesivas ou em forma de líquido, uma pintura à base de resina acrílica. "A forma líquida é mais flexível, mas não possui as mesmas características e resultados que as mantas asfálticas", destacou Dario.
De novidade no mercado existe a tecnologia de revestimentos em sistema de poliureia, que, mais eficiente, torna a superfície impermeabilizada um bloco único, razão pela qual é chamado de impermeabilização monolítica. A eficiência e durabilidade do sistema garantem o retorno do investimento, uma vez que reduzem muito as interferências decorrentes da necessidade de manutenção do sistema. "No caso de um terraço, com a manta asfáltica ele teria várias emendas, por causa da forma como o produto é comercializado - em rolos de 1,10 m x 10 m, com variadas espessuras. Em um terraço de 100 m2 teria, no mínimo, nove emendas, sem contar os recortes e as arestas. A poliureia faz todos os contornos sem deixar de preencher nenhum espaço,permitindo um- excelente resultado final, com a vantagem de não haver a necessidade de proteção mecânica e argamassa, que é aplicada sobre as mantas para proteger a superfície em razão de sua fragilidade as intempéries e ao tráfego", afirmou o técnico de edificações.
Os preços de impermeabilização variam de acordo com o tipo de material usado. A dica é fazer cotação com mais de um fornecedor, ver formas de pagamento e negociar com a empresa para ter um bom desconto.
Locais como laje de cobertura de apartamento, jardim e garagem, seguidos de fachada, por prevenção, devem ser vistoriados. Os condomínios que realizam acompanhamento e manutenção periódica devem ficar mais atentos após os períodos de chuva, pois nenhuma infiltração tem início de um dia para o outro. De maneira geral, a impermeabilização vai se deteriorando e o vazamento, aparecendo aos poucos.

PROBLEMAS DIVERSOS COM INFILTRAÇÃO
• Laje, telhado, caixa-d'água e terraço podem apresentar problemas pontualmente, razão pela qual se deve fazer uma investigação por área e se certificar que tipo de tratamento foi feito anteriormente. Nos casos em que a superfície danificada apresenta muitos pontos de infiltração, o melhor é refazer todo o tratamento.
• Cuidado com os ralos! Mantenha-os sempre limpos.
• Verifique os tubos de queda periodicamente, para garantir se estão desobstruídos.
• Caixa de inspeção: deve estar sempre com tampa e limpa.
• Sempre que possível tenha, em lajes, terraços, marquises e calhas, tubo extravasor (tubo lateral por onde a água pode sair em caso de entupimento dos ralos ou queda da calha).
• Sempre que aparecer um sinal de mofo em pequenas infiltrações procure um profissional da área antes que o problema se agrave.

Fonte Condomínio CIPA