quinta-feira, 4 de maio de 2017

SAIBA TUDO SOBRE CORRESPONDÊNCIA JURÍDICA

Como se atualizar; perguntas antes de começar a atuar; razões do sucesso na correspondência jurídica; o que pessoas não gostam na correspondência jurídica; seu orçamento como correspondente; o que você não pode fazer como correspondente; o mundo sem o correspondente jurídico

5 dicas para você se atualizar sobre correspondência jurídica
O advogado que trabalha com correspondência jurídica é um profissional que, muito mais do que outros já estabelecidos, deve estar sempre atualizado com relação à legislação. Afinal, o seu trabalho o envolve diretamente com profissionais advogados de diferentes regiões do país, com diversos níveis de conhecimento e inúmeras áreas de atuação. Desta forma, se não estiver atualizado, não terá condições de realizar um bom trabalho.
Para que você possa se atualizar sobre correspondência jurídica, separei 5 dicas importantes que, se forem seguidas, irão trazer excelentes resultados em todas as suas diligências:

1. Ligar-se na internet
Manter sua atualização na correspondência jurídica através da internet é um dos meios mais práticos e fáceis para o advogado correspondente. A publicação de artigos em plataformas como o Jusbrasil é uma grande sacada para você ficar reconhecido no meio.

2. Cadastrar-se em sites de correspondência jurídica
Manter seu cadastro em sites de correspondência jurídica, como o próprio Jusbrasil, facilitará ainda mais a sua atualização. A maior parte dos sites sempre envia newsletters e e-mails sobre assuntos de interesse do advogado. A atualização fica muito mais prática e rápida, já que os assuntos tratados versam sobre o que está nas discussões gerais sobre o Direito.

3. Fazer cursos de atualização
Seja presencial ou à distância, fazer cursos de atualização na área jurídica sempre trará benefícios a qualquer advogado, mesmo que não esteja atuando na correspondência jurídica. Atualmente tudo é muito mais rápido e as novidades são diárias. Em qualquer profissão, os cursos de atualização tornam-se ferramenta básica para o profissional.

4. Organizar o próprio tempo
As dicas que passamos apenas destacam um detalhe: para que você, que atua na correspondência jurídica, esteja sempre atualizado e mantenha organizado o seu próprio tempo, agendando tudo o que deve ser feito no dia seguinte antes de encerrar seu expediente. Desta maneira, com organização, nunca será pego de surpresa.

5. Dedicação à profissão
Este ponto é fundamental para quem quer se manter atualizado na correspondência jurídica. Lembre-se que todo o seu trabalho nos dias atuais é que farão de você um grande advogado no futuro, quando será você o contratante de novos advogados que irão atuar na sua correspondência jurídica.

3 perguntas que você precisa responder antes de começar a atuar como correspondente jurídico
Atuar como correspondente jurídico é uma decisão bastante séria para o advogado iniciante. Não se trata apenas de ser um cumpridor de diligências de um escritório que está em outra comarca: trata-se de uma decisão que poderá direcionar o seu futuro profissional, agregando mais experiência, trazendo mais conhecimento e, principalmente, trazendo uma forma de conseguir dinheiro para sua subsistência e para planejar o seu futuro.
Antes de entrar na atividade como correspondente jurídico, você deve estar bem consciente de sua posição e de sua decisão. Para isso, faça-se algumas perguntas:

1. Tenho disponibilidade para ser correspondente jurídico?
Pode ser que no início de sua atividade você tenha poucos contatos, mas, se trabalhar corretamente, certamente será indicado para outros escritórios e irá conseguir inúmeros clientes. Você tem disponibilidade para atuar como correspondente jurídico sem prejudicar suas outras atividades? Ou só está pensando nisso para complementar sua renda?

2. Tenho qualificação para atuar como correspondente jurídico?
Os escritórios contratantes sempre estarão em busca de profissionais qualificados para atuar como correspondente jurídico. Dessa forma, você deve ter consciência de que estará atuando nas mais diversas áreas e não apenas naquela em que está se especializando. Se for trabalhar como correspondente jurídico deve mostrar-se qualificado, ter o conhecimento sobre os assuntos e bastante capacidade para encontrar os meios de mostrar sucesso em suas diligências.

3. Estou esperando só retorno financeiro como correspondente jurídico?
Sabemos que o retorno financeiro é a consequência de um trabalho bem feito. Ao atuar como correspondente jurídico, você certamente está esperando um retorno financeiro pelo seu trabalho, mas é somente isso o que lhe interessa? Ou você está planejando que essa atividade possa trazer embasamento para sua carreira no Direito?
A partir do momento em que você assumir a responsabilidade, você sabe que a parte contratante está esperando uma resposta com resultados positivos e é isso que vai lhe trazer o retorno financeiro, o reconhecimento pelo seu trabalho e as bases para que você consiga seu lugar no mercado jurídico.

As 7 razões pelas quais as pessoas têm sucesso na correspondência jurídica
Enquanto os grandes escritórios ou advogados de outras comarcas encontram grandes vantagens na contratação de correspondentes jurídicos, também os profissionais contratados são contemplados com possibilidades para o seu futuro na carreira como advogado.
Vamos ver as sete principais razões onde o advogado tem sucesso na atividade de correspondente jurídico:

1. Rapidez no atendimento
Não há dúvida que esta é a principal razão para conseguir sucesso como correspondente jurídico. Quanto mais rápido for o atendimento, mais o advogado mostrará respeito para com o contratante.

2. Economia para o contratante
A geração de economia para o contratante é um dos pontos que eleva o conceito do advogado correspondente, pois mostra sua preocupação com os custos envolvidos no processo, colocando-se como um profissional consciente.

3. Respeito aos prazos
Um bom advogado se mostra principalmente quando respeita os prazos estabelecidos pela legislação, cumprindo fielmente com suas obrigações. Ao respeitar os prazos, o correspondente jurídico estabelece um vínculo de confiança com o seu contratante.

4. Dedicação aos processos
O conhecimento dos processos diligenciados é um dos motivos que trazem sucesso ao correspondente jurídico. Quanto mais se interessar pelas causas, mais processos poderá receber, além do que também ganhará maior experiência para sua própria carreira.

5. Manter constante contato com o contratante
Ao manter contato para solução de dúvidas ou para direcionamento de suas atividades, o correspondente jurídico está deixando claro que não é apenas um contratado, mas um parceiro do seu contratante.

6. Experiência em áreas diversas
Estudando os processos para os quais foi contratado, o correspondente jurídico apresenta-se como profissional capacitado para se movimentar em áreas diversas, situação que, além de trazer o sucesso para sua função, também trará experiência para o seu futuro profissional.

7. Interesse pela carreira de correspondente jurídico
Diante da grande concorrência no mercado, o correspondente jurídico que realmente se interessa pela sua atuação irá conseguir, além do rendimento suficiente para sua subsistência, o reconhecimento dos seus contratantes, garantindo novas contratações e novas indicações.
Trabalhar como correspondente jurídico é a melhor maneira de criar estabilidade na carreira e essa condição não deve ser desprezada nos tempos atuais.

4 coisas que as pessoas não gostam sobre a correspondência jurídica
A correspondência jurídica tem se tornando um serviço relevante para clientes e para escritórios de advocacia. O serviço tem proliferado na internet, com a multiplicação de sites oferecendo esse tipo de serviço, como é o caso do Jusbrasil, atendendo escritórios e advogados que possuem grande volume de processos, muitos deles localizados longe das comarcas onde atuam.
No entanto, como em qualquer outro trabalho, também na correspondência jurídica surgem alguns entraves, com atitudes, posturas e condições que fazem com que alguns escritórios desprezem o trabalho de alguns correspondentes.
Vamos analisar algumas dessas atitudes:

1. Falta de comprometimento do correspondente jurídico
Esse é o primeiro ponto e, certamente, o mais importante. Quando o correspondente jurídico aceita a obrigação, deve entender que o cliente, embora não tendo contrato direto com ele, é de sua responsabilidade e todas as ações devem ser dirigidas com a mesma diligência e cuidados de um cliente de seu escritório.

2. Cobrar muito pouco pelo seu serviço
No espaço destinado à correspondência jurídica não faltam profissionais que trabalhem por preços abaixo de qualquer limite, o que prejudica o trabalho de bons profissionais. Quando se faz um trabalho por preço baixo demais, quem sai prejudicado é o processo e o cliente, que não terá qualidade naquilo que deseja.

3. Profissionais que acumulam correspondência jurídica
Os preços baixos cobrados por determinados profissionais fazem com que assumam número maior de compromissos do que podem, o que cria diversos problemas, como falta de cumprimento de prazos e falta de interesse pelos processos.

4. Falta de postura na correspondência jurídica
Como se trata de um serviço relativamente recente, ainda não existem regras específicas sobre a correspondência jurídica, o que faz com que muitos profissionais não atuem da forma necessária, prejudicando não somente a própria atividade, quanto sua própria postura profissional.
A correspondência jurídica é uma alternativa para profissionais complementarem sua própria renda e é uma forma rápida de adquirir experiência, culminando em uma maior eficiência da própria justiça. Justo por isso que certos cuidados devem ser tomados!

5 dicas para você aproveitar melhor seu orçamento de advogado correspondente
O advogado correspondente atua na prestação de serviços jurídicos para escritórios, empresas ou advogados localizados geograficamente em localização diferente daquelas onde possuem processos em tramitação.
Quando um escritório precisa realizar uma audiência em outra cidade, por exemplo, a opção de contratação de um advogado correspondente é a melhor opção para evitar custos de locomoção, de hospedagem e, principalmente, de tempo. Isso porque, morando na cidade da audiência, o advogado correspondente tem maiores conhecimentos do local e das facilidades para agilizar o andamento do processo.
Para o escritório ou advogado contratante, o advogado correspondente representa redução de custos, visto que, para acompanhamento do processo com os custos decorrentes da locomoção e da hospedagem, muitas vezes, podem até exceder o valor da possível condenação.
Enquanto representa redução de custos para o contratante, para o advogado correspondente contratado representa um acréscimo em seus rendimentos, podendo ser a receita extra que precisava para dar andamento aos seus projetos de vida profissional.
Com uma receita extra para o escritório, o advogado correspondente poderá criar um novo plano para sua vida, aproveitando esse orçamento para seu próprio crescimento profissional.
Veja algumas dicas para usar melhor o orçamento de advogado correspondente:

1. Otimize os trabalhos exigidos pelos processos
Se você é bastante organizado, pode reduzir o custo de idas ao cartório ou ao fórum para resolver os problemas que tenha como advogado correspondente. Se tiver diversos processos a resolver, procure fazer tudo num dia da semana, atendendo prazos e resolvendo as pendências, reduzindo seus custos.

2. Otimize o seu tempo de comunicação com os clientes
Caso você tenha mais de um processo com um mesmo cliente, como advogado correspondente, pode reduzir o tempo de comunicação estudando melhor os processos e usando apenas uma vez o celular. Outros meios de reduzir os custos de comunicação são as facilidades da internet, instalando o Skype no seu computador/celular ou conversando pelo WhatsApp.

3. Faça você mesmo, não repasse o trabalho
Não utilize serviços de terceiros a não ser que seja estritamente necessário. Tendo o trabalho bem organizado, você mesmo deve ir atrás das soluções.

4. Implante um sistema de gerenciamento no escritório
Sem organização, nada funciona. Com um sistema de gerenciamento dos processos você terá condições de estudar e analisar melhor prazos e necessidades de cada processo, agilizando o seu dia e economizando tempo e dinheiro.

5. Estabeleça valores condizentes como advogado correspondente
Ao negociar seus valores como advogado correspondente, faça uma análise geral de preços e estabeleça valores compensatórios, que possam lhe trazer resultados positivos em seu trabalho.

Deselegante! O que você não pode fazer como correspondente jurídico?
O correspondente jurídico é um profissional cada vez mais requisitado no mercado jurídico. Este fato se dá principalmente em virtude da globalização, quando existem demandas de escritórios de outras jurisdições e comarcas, exigindo agilidade nos processos com menor custo para os escritórios e para os clientes.
Com essa nova realidade, o correspondente jurídico é aquele que deve prestar os serviços da melhor forma possível, resolvendo as pendências como se fosse o próprio advogado responsável pelo processo.
A atividade, quando feita dentro dos padrões exigidos, com a necessária presteza, sem perda de prazo e com custos dentro dos padrões exigidos pela função, tem sido de grande sucesso no meio jurídico, trazendo excelentes resultados para os advogados, principalmente os mais novos, que começam em sua carreira.
Para um advogado iniciante é a atividade mais satisfatória, já que possibilita ganhar experiência em seu meio, tendo um rápido retorno financeiro, criando um nome de referência no meio jurídico e gerando uma melhor receita para o início da vida profissional.

O que o correspondente jurídico não pode fazer?
Com a responsabilidade de conduzir um processo de um escritório distante geograficamente, o correspondente jurídico não pode, de forma alguma, criar situações que possam afetar o escritório que o contratou.
Assim, em primeiro lugar, o correspondente jurídico não pode deixar de dar a devida atenção a todos os detalhes de cada processo, documentando todos os tratados e acordos firmados com seu contratante, respondendo prontamente às solicitações e mantendo os meios de comunicação eletrônica como ferramenta para apresentar-se sempre como eficiente.
O correspondente jurídico também não pode deixar de avaliar todos os processos e manter-se a par do assunto tratado, esclarecendo todas as dúvidas que possam surgir. É preciso lembrar-se que cada caso é um caso diferente, que exige a mesma atenção daquela prestada a um cliente que o busca em seu escritório.
O correspondente jurídico não pode deixar de buscar o êxito em sua empreitada, embasando-a com os documentos necessários, mostrando ao seu contratante sua preocupação com o processo. Sucesso não se faz com displicência e a atenção dedicada a qualquer diligência pode definir os rumos de um processo.
Para um correspondente jurídico a ganância também não é boa companheira. Cobrar o preço justo, com todos os custos detalhados, mostrando ao contratante uma planilha bem delineada, só poderá render novos negócios no futuro.
No trabalho de correspondente jurídico, o advogado deve ainda procurar saber mais a respeito de seu contratante, interessando-se pelo trabalho desenvolvido e mostrando o seu interesse na condução dos processos, estabelecendo assim um relacionamento mais firme, projetando novas negociações e continuidade desse relacionamento.
São procedimentos fáceis de serem seguidos, evitando atrasos, conduzindo o processo como se fosse de um cliente físico, que irão fazer do correspondente jurídico uma referência em seu meio.
Podemos ressaltar ainda que, quando age da forma correta, o correspondente jurídico pode ser indicado para novos trabalhos. Afinal, competência é algo necessário no meio jurídico.

Como seria o mundo sem correspondente jurídico?
O correspondente jurídico, como sabemos, é o advogado que pode prestar serviços os mais variados, como comparecimento a audiências, assessoria jurídica, diligências, obtenção de cópias de processos, acompanhamento de julgamentos e muitos outros. Para se tornar um correspondente jurídico é necessário que o profissional conheça as práticas forenses e os trâmites legais.
Com o crescente número de advogados formados anualmente, o Brasil tem hoje um grande contingente de advogados, que não é absorvido pelo mercado jurídico. Desta forma, muitos advogados encontram na correspondência jurídica uma opção para exercer sua profissão, conseguindo experiência e maior conhecimento de diversas áreas jurídicas, além de um bom retorno financeiro.
O correspondente jurídico deve ser um profissional dotado de pontualidade, de ética, de bom comportamento, boa oratória, boa dicção e ainda ter a personalidade de um empreendedor, se quiser ter sucesso.

A importância do Correspondente Jurídico
Vivemos num país com dimensões continentais, com uma enorme extensão territorial. Para a maior parte das empresas e escritórios de advocacia, o custo de deslocamento e de logística tornaria praticamente impossível a atuação de um advogado fora dos limites de sua área de trabalho, tornando também impossível a muitos clientes resolver problemas pendentes em outros locais, já que o custo seria muito alto.
O advogado que trabalha como correspondente jurídico, além de ampliar sua área de atuação e angariar mais conhecimentos, também consegue mais possíveis clientes e, com o tempo, pode se tornar reconhecido por todos os escritórios para quem trabalhou.
E, afinal, entrando na pergunta título do artigo: você seria capaz de mensurar os custos de um processo movido por um advogado no Rio Grande do Sul contra uma empresa no Pará?
Em princípio, você teria o alto custo da passagem e da estadia num hotel, além da alimentação e transporte; teria de arcar com a falta de conhecimento do local e com a demora nos procedimentos e prazos; não conheceria a cidade onde deve realizar qualquer diligência, precisando contratar pessoas que pudessem auxiliá-lo, e poderíamos ainda citar um monte de outros empecilhos para levar o processo adiante.
Na contratação de um correspondente jurídico, quantos dos obstáculos presentes no parágrafo anterior seriam eliminados? Quanto será reduzido o custo para a parte que quer mover o processo? E quanto ganhará a justiça com a presença do correspondente jurídico?
Em suma, o mundo jurídico seria um caos sem os correspondentes.

Lauro Chamma Correia
Fonte JusBrasil Notícias