sábado, 3 de junho de 2017

SEM PREVENÇÃO, CÃES E GATOS PODEM TER VERMES NO CORAÇÃO


Final de ano, férias e a maioria das pessoas já planeja com antecedência a temporada na praia. E neste planejamento, os pets não ficam de fora. Mas é importante tomar alguns cuidados e medidas preventivas para que a família toda possa curtir a viagem na ida e na volta. Isso por que no litoral e em regiões de represa a concentração de mosquitos é grande e eles são responsáveis pela transmissão de doenças como a dirofilariose.
Conhecido como verme do coração, a Dirofilaria immitis, causa a doença parasitária que é mais comum em cães, porém também pode afetar os gatos e até mesmo o homem. Ela é geralmente transmitida por mosquitos fêmeas do gênero Culex, mas os Aedes e Anopheles também podem ser responsáveis pela transmissão.
Os cães são infetados por larvas do parasita, transmitidas pela picada do mosquito. Estas larvas caem na corrente sanguínea e vão se alojar no coração. Este processo pode levar de 3 a 6 meses, e os vermes adultos podem medir entre 15 a 35 cm.
Dependendo da quantidade de parasitas pode haver uma redução da função cardíaca, tosse e dificuldade respiratória. Os cães doentes são o principal reservatório da dirofilariose e permitem a perpetuação da doença ao infectar outros mosquitos que se alimentem de seu sangue.

Sintomas
Os primeiros sintomas aparecem alguns meses após o animal ter sido picado, sendo os principais: a tosse crônica, a diminuição da tolerância ao exercício e a perda de peso. Com a evolução aparece a dificuldade respiratória, febre e sinais de insuficiência cardíaca como ascite e edema pulmonar, falência renal e hepática. A morte dos parasitas pode levar à ocorrência de tromboses em vários órgãos e, se não tratada, a dirofilariose pode causar a morte do pet.

Diagnóstico e tratamento
O diagnóstico pode ser feito através de exames de sangue com a visualização de microfilárias ao microscópio em esfregaço de sangue ou pela detecção de antígenos dos parasitas ou anticorpos produzidos contra o verme. Outros exames complementares podem ser necessários na avaliação e no acompanhamento do caso.
O tratamento é longo e necessita de acompanhamento constante do veterinário, pois pode vir acompanhado de complicações. Por isso, a prevenção é a melhor saída. Existem no mercado inúmeros produtos eficazes na prevenção e controle da doença. O veterinário poderá escolher o que mais se encaixa na sua rotina e no perfil de seu cão ou gato.

Prevenção
A prevenção deve começar antes da viagem, ser mantida durante a permanência no local sendo repetida mensalmente até o mês seguinte ao retorno. Por isso ao programar a próxima viagem, não deixe de visitar o veterinário com antecedência.

Por Fernanda Fragata
Fonte Exame.com