sábado, 2 de setembro de 2017

A TOXOPLASMOSE E O GATO

Exame simples de sorologia pode ser feito para detectar se o gato está infectado ou não e se a infecção é recente ou antiga

A toxoplasmose é uma zoonose, ou seja uma doença transmitida ao homem pelos animais. O gato, nesta história, é o hospedeiro definitivo do protozoário chamado Toxoplasma gondii, parasita causador da doença. Mas engana-se quem pensa que todo gato transmite toxoplasmose. A falta de informação e orientação acaba por aumentar ainda mais as estatísticas de abandono de animais pelas ruas das cidades.
Para transmitir a doença, o gato precisa ingerir oocistos esporulados de Toxoplasma presente na carne crua de outros animais conhecidos como hospedeiros intermediários ou ingerir oocistos eliminados nas fezes de outro gato infectado. Após o contágio, o gato passa a eliminar formas infectantes do parasita nas fezes e aquele que tiver contato com estas fezes e ingerir os oocistos presentes acabam se infectando também.
Os gatos infectados raramente manifestam a doença, apenas em caso de baixa imunidade associada. Já os hospedeiros intermediários como os cães, ratos, pombos, gado, cavalo, animais silvestres em geral, o homem e os gatos imunossuprimidos podem apresentar deficiências neurológicas, problemas oculares, na retina, doenças musculares, alterações nos linfonodos, hepatite, pancreatite, granuloma intestinal, aborto e distúrbio neonatal.
Estes hospedeiros intermediários, doentes ou não, podem ter oocistos na musculatura e, ao ingerirmos carne crua ou mau passada, podemos nos contaminar. A contaminação também pode ocorrer na ingestão de frutas ou verduras mal lavadas, que podem conter oocistos.
Hoje sabemos que a ingestão de carne, verduras, legumes e frutas são os maiores culpados pela doença nas pessoas. Em relação aos gatos que convivem conosco, é possível realizar um exame simples de sorologia para detectar se o animal está infectado ou não e se a infecção é recente ou antiga. Este exame pode ser repetido a cada 6 meses ou anualmente de acordo com o estilo de vida do bichano e a avaliação do veterinário.
Alguns cuidados simples são importantes na prevenção desta e outras doenças tornando seguro o convívio com os animais. Evite o contato com as fezes do animal, usando luvas ao lavar a bandeja sanitária e ao recolher as fezes. Lave as mãos sempre. Evite deixar seu cão ou seu gato com livre acesso à rua, pois o hábito de caçar pombos, outros pássaros e ratos pode trazer doenças para a casa.
Evite oferecer carne crua, frutas, legumes e vegetais não higienizados adequadamente. Leve seu animal para visitas periódicas ao veterinário para a correta orientação e acompanhamento de seu gato. Existe tratamento para a toxoplasmose, porem é longo e pode causar efeitos colaterais desagradáveis. O melhor a fazer é prevenir e controlar para que a infecção não aconteça. E antes de condenar seu gato como o maior vilão desta história, avalie bem os seus hábitos e pratique você também a prevenção.

Por Fernanda Fragata
Fonte Exame.com