sábado, 2 de setembro de 2017

QUEDA EM PELOS DE ANIMAIS DEVE SER MONITORADA


A queda de pelos é algo natural em animais domésticos e a intensidade pode variar de acordo com fatores ambientais (temperatura) e a raça do animal. É a forma que o organismo do animal encontrou de eliminar os pelos danificados e deixar que novos cresçam no lugar. É necessário, porém, que o tutor fique atento à queda intensa e possíveis alterações na pele do bichinho, sinais de que há algo errado com a saúde física ou emocional dele.
“A queda anormal de pelos em cães e gatos pode ser ocasionada por vários fatores, como algum processo alérgico, infecção por bactérias e/ou fungos, presença de parasitas (pulgas e carrapatos), sarna, estresse, má alimentação, doenças endócrinas, doenças imunológicas e uso de alguns medicamentos. Por isso a importância da investigação com um especialista”, explica a médica veterinária Érica Tamagusku. “Fêmeas no pós-parto também podem apresentar queda excessiva de pelos, pois as energias dela são concentradas para a amamentação de seus filhotes, fazendo com que sua pelagem fique fraca”, completa a especialista.
Irritação da pele do animal (incluindo vermelhidão, coceiras), inchaços, manchas, descamação, feridas, tufos de pelos que saem facilmente e falhas na pelagem são alguns dos principais sinais de que a queda de pelos precisa ser investigada. Mas também é possível prevenir o problema tomando algumas medidas simples para manter a saúde da pele do animal.
“Banhos e tosas frequentes com produtos de qualidade, escovação diária, banho moderado de sol e alimentação balanceada com todos os nutrientes que o organismo do animal necessita são algumas das medidas para manter saudável a pele do animal e, consequentemente, evitar a queda anormal de pelos”, adverte Érica.

Por ANDA
Fonte JusBrasil Notícias