sábado, 1 de julho de 2017

GATOS TAMBÉM PODEM TER CRISE DE ANSIEDADE

Cães latindo ou a chegada de uma nova criança na família podem desencadear uma crise de ansiedade nos gatos

Muito se comenta sobre o aumento alarmante de problemas psíquicos e comportamentais relacionados ao estresse. Os gatos, infelizmente, não ficam fora desta estatística. Não é raro encontrarmos animais com diminuição localizada da pelagem, ou até a ausência de pelos em determinada parte do corpo. Em alguns casos pode-se observar lesões de pele e até infecções no local. Mas por que isso acontece?
Os felinos, por natureza, têm o habito de lamber o corpo todo para manter-se limpo. Em alguns casos esse hábito pode se tornar compulsivo. A lambedura constante pode levar à diminuição de pelos no local e à inflamação crônica da pele. Alguns gatos lambem e mordem delicadamente uma área do corpo, outros mastigam seu pelo ou pele, e outros, além de mastigar, arrancam seus próprios pelos. Podemos comparar esses casos com o de pessoas que roem as unhas. Quando nervosas, são capazes de se ferir de tanto morder os dedos ou até de arrancar parte das unhas sem se dar conta.
A ansiedade pode ser causada por inúmeros fatores psicológicos. Os felinos são animais tão territoriais que a mudança para uma casa nova,  uma modificação na ordem de dominância no território, pode apresentar grande potencial de ansiedade. Outros fatores, como cães latindo ou a chegada de uma nova criança na família também podem desencadear uma crise de ansiedade.
Se for possível remover ou modificar esses problemas, o animal pode melhorar sem nenhum tratamento ou com um tratamento a base de feromônios que tem efeito calmante sobre os gatos. Casos mais graves ou persistentes necessitam de medicação antidepressiva por um período prolongado. O uso de medicamentos tópicos pouco ajuda, uma vez que o animal lambe o local e retira o produto. As áreas mais comumente afetadas por este tipo de comportamento incluem o abdômen, a face interior das coxas e parte inferior das costas.
Os gatos podem manifestar este comportamento somente quando os proprietários não estão presentes, dificultando a percepção pelo dono. Para o correto diagnóstico e tratamento, o veterinário terá que excluir uma série de outros problemas que podem levar a quadros semelhantes, como alergias alimentares, atopia (alergias sem causa definida), dermatite alérgica a pulga, infecções parasitárias, hipertireoidismo, entre outros. Se todos esses diagnósticos se confirmarem  negativos, o diagnóstico de dermatite psicogênica pode ser fechado. O diagnóstico de alopecia psicogênica felina é feito apenas quando todas as outras causas dos sintomas foram excluídas. Aumentar a quantidade de brincadeiras e interação social com o gato auxilia muito na prevenção e diminuição dos sintomas.

Por Fernanda Fragata
Fonte Época Online