sábado, 2 de setembro de 2017

TRANSPORTE COM SEGURANÇA PARA OS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

Gatos e cães podem viajar no banco presos por cintos com coleira peitoral

Passeios e viagens de carro em boa companhia são um ótimo programa, sobretudo nessa época do ano, quando a temperatura amena e os dias de céu azul convidam a sair de casa. E por falar em companhia, levar o animal de estimação para se divertir é uma delícia.
Os amigos de quatro patas topam qualquer aventura, basta que os tutores tomem alguns cuidados antes de sair de casa para que o trajeto até a praça ou a praia seja igualmente agradável para os dois.
Filhotes e animais inquietos viajam melhor em caixas de transporte adequadas ao seu tamanho, produtos criados especialmente para eles que possuem grade para ventilação e algum espaço interno. Essas caixas podem ser colocadas sobre o banco traseiro, presas ao cinto de segurança, ou quando forem muito grandes, no porta-malas.
Os gatos e os cachorros mais tranquilos podem ser colocados em cintos de segurança nos bancos de trás. Eles viajam bem, sobretudo se forem acostumados desde filhotes. Os cintos de segurança de gatos e cães são presos ao peito do animal, o que evita acidentes e as temidas torções em freadas buscas.
Para garantir o conforto dos animais, de pequeno e médio porte, o mercado já desenvolveu outros acessórios, todos adaptáveis conforme a necessidade dos tutores. Além das caixas de transporte, sacolas especiais levam os mínis e também vão presas ao cinto. Uma outra opção é apostar em cadeirinhas – cesto que lembram aquelas usadas para bebês.
A melhor forma de escolher como carregar o animal é consultar quem entende do assunto e respeitar a personalidade do animal. Não adiante forçar o cão, que normalmente é tranquilo, a ficar dentro de uma caixa, se ele estranha e late o tempo todo. O mesmo vale para os gatos em sacolas com janelas de tecido ou telinhas.
E, se o passeio for mais longo, tenha certeza de que o gato ou o cachorro vai se divertir tanto quanto você. Leve-o ao veterinário para providenciar a vacina antirrábica (acima dos seis meses) e a guia de transporte animal. Planeje a viagem para reduzir o estresse do animal: se ele não estiver enjoando, hidrate e alimente, faça pausas a cada duas horas para permitir que ele estique as patas e faça suas necessidades.

Contran artigo 235
Levar animais na caçamba ou com parte do corpo fora do carro dá multa, viajando no banco do carona ou no colo, também.

Escolhas certas proporcionam conforto e segurança para o amigão
A veterinária Milena Talita Merlotto acredita que a responsabilidade de transportar animais com segurança é uma questão de conscientização. “Hoje existem equipamentos e acessórios para todos os bolsos”, diz. Na hora de escolher o que levar lembre-se de consultar antes o veterinário para saber qual é o tipo que melhor se adapta ao seu animal e à personalidade dele. Lembre-se de que: 
- Para quem carrega cães grandes no porta-malas os tapetes especiais e as grades são ótimos aliados, porque o tapete dá mais conforto ao cão e a grade evita saltos (e sustos) inesperados.
- O cinto de segurança para os animais ainda não é obrigatório, mas garante a segurança deles, assim como as cadeirinhas que lembram as cadeirinhas infantis.
- Recomenda-se uma sedação leve para as viagens, mas nunca dê remédios aos animais sem o conhecimento do veterinário, a dose errada pode causar reações ou efeitos colateras.
- Ninguém mais precisa deixar um carro só para passear com os gatos ou cães, basta proteger o interior do veículo com capas protetoras impermeáveis. Estas coberturas encaixam-se nos bancos e porta-malas, evitam transtornos como excesso de pelos nos bancos, manchas de baba, vômito ou urina (especialmente a dos machos).

Milena indica os hotéis para animais como melhor opção em caso de viagens longas. Ela recomenda uma visita prévia, busca de referências e levar junto com o animal os brinquedinhos e objetos de casa para minimizar a saudade. Alguns hotéis permitem até o monitoramente a distancia pela web.

Fonte ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais