sábado, 2 de setembro de 2017

"VOCÊ É O QUE VOCÊ COME" – ISSO TAMBÉM VALE PARA OS ANIMAIS?


Os animais de estimação são a nossa paixão e temos uma relação muito próxima com eles. Dentre todos os cuidados que dispensamos aos nossos amigos, a alimentação é um dos que julgo ser mais importantes. A cada fase da vida dos cães e dos gatos é necessário suprir necessidades nutricionais específicas, para que eles possam usufruir de uma vida longa e saudável.
Engana-se quem acredita que a alimentação caseira seja o melhor em sabor para seu cão ou gato. Engana-se mais quem acredita que todas as rações sejam iguais e proporcionem os mesmos resultados. Oferecer a nutrição necessária para que os animais de estimação tenham uma ótima saúde e possam atingir o seu potencial máximo nunca foi tarefa fácil. Porém, com o desenvolvimento da indústria de alimentos para pets, ficou mais simples dar o que há de melhor para eles.
As rações disponíveis no mercado pet, que denominamos como superpremium, são completas e balanceadas. Elas são elaboradas com ingredientes de qualidade, selecionados, sem adição de conservantes e corantes. Contêm carne de frango ou salmão, que fornecem proteínas de alta qualidade e fácil digestão, ingredientes ativos, vitaminas, minerais e ácidos graxos ômega. Tudo isso trabalha na manutenção das defesas naturais e garante uma ótima saúde.

A escolha da ração
Diante da variedade de opções no mercado, surge a dúvida: qual é a mais indicada para o meu animal?
Para a correta escolha, devemos levar em conta o estilo de vida, o ambiente, a idade, a raça e suas predisposições a possíveis doenças. A escolha errada pode minimizar os benefícios ou até vir a prejudicar a saúde de animais com necessidades especiais.
Como exemplo, podemos citar dois cães das raças labrador e maltês, vivendo em um apartamento. O labrador é um cão ativo, de grande porte com apetite voraz, predisposição a doenças de pele como seborreia, obesidade e problemas articulares. O maltês é tranquilo, de porte pequeno, com apetite seletivo e sistema digestivo sensível, pelame comprido e pele delicada. As diferentes necessidades alimentares de cada uma dessas ficam visíveis. É muito importante escolher um tipo de ração para cada um.
Outro exemplo é a diferença de alimentação entre filhotes e adultos de uma mesma raça ou de raças diferentes. Um filhote de pastor alemão vai precisar de uma ração com altos níveis de cálcio, proteína e energia, pois cresce rapidamente nos primeiros 10 meses de vida e continuará desenvolvendo-se até os 18 meses. Um poodle aos 6 meses já terá atingido o seu tamanho máximo e, após os 11 meses, terá completado o seu desenvolvimento. Apesar de, ao nascimento aparentarem pequena diferença de tamanho, com o passar dos meses e quando adultos essa diferença será exacerbada.
Se continuar a receber alimentação indicada para filhotes, mesmo após atingir seu limite de crescimento (11 meses no caso de raças pequenas e 18 meses para as gigantes), o excesso de calorias, de cálcio e de proteínas poderá prejudicar a saúde e o desenvolvimento do cão.
Animais da mesma raça e idade também terão necessidades alimentares diferentes de acordo com características como ser castrado ou não, ativo ou sedentário, viver dentro de casa ou em outro ambiente.
No caso dos gatos, animais castrados necessitam de alimentação diferente de animais não castrados. Animais com pelo longo, como persa, costumam engolir muito pelo e sofrem com as bolas de pelagem que se formam no estômago podendo provocar falta de apetite, vômitos e desânimo. Rações específicas possuem fibras que auxiliam na eliminação desses pêlos pelas fezes garantindo maior conforto ao animal.
Os gatos da raça Siamês precisam de ração com grãos em formato diferente pra evitar que o animal coma muito depressa.
Para animais que vivem em apartamento, seja um cão ou um gato, as rações possuem em suas fórmulas ingredientes ativos que reduzem o odor das fezes, minimizando esse inconveniente.
Os diferentes formatos dos grãos ou peletes (como podem ser chamados) têm a função de auxiliar na remoção de tártaro, facilitar a apreensão e a mastigação de animais de focinho curto ou comprido, mandíbulas grandes ou pequenas.
E para quem tem as duas espécies em casa, cão e gato, nada de oferecer a ração de um para o outro e vice e versa. Eles possuem necessidades muito diferentes. Os níveis proteicos, de vitaminas e de minerais são específicos para cada espécie.
Animais idosos precisam de cuidados especiais na alimentação para manter a vivacidade e proteger órgãos sensíveis como a pele, os rins e o coração.
Atualmente, há também as rações terapêuticas, que são prescritas exclusivamente por veterinários para animais com doenças crônicas ou agudas que necessitam de cuidados especiais. Por exemplo, os doentes renais têm de comer ração com níveis mais seguros de proteína. Para os cardiopatas, são prescritas as com menor teor de sódio. Os obesos devem ingerir aquelas com maior teor de fibras e baixa caloria. Há ainda rações especiais para animais com cálculos na bexiga, diabéticos, pacientes oncológicos, animais que foram submetidos a cirurgia ou sofreram algum acidente e estão hospitalizados, animais com quadros de diarreia e ou sensibilidade gástrica, entre outros.
Portanto, ao se deparar nas pet shops com tantas opções de rações não se assuste: converse com seu veterinário e juntos escolham qual será o melhor cardápio para oferecer uma boa nutrição com sabor e bem estar. Certamente a correta seleção fará toda a diferença para a saúde deles, além de garantir ronronados e lambidas de agradecimento!

Por Fernanda Fragata
Fonte ÉPOCA Online