quarta-feira, 19 de abril de 2017

CINCO RAZÕES QUE MOSTRAM QUE O CURRÍCULO TRADICIONAL VALE MAIS QUE O PERFIL ON-LINE

Padronização e ser público demais são alguns dos problemas dos perfis on-line, diz especialista

Quem nunca sonhou com uma loja on-line só de currículos? Bastaria a pessoa digitar uma URL, algumas palavras-chaves e voilá! Aparece o currículo. Bastaria acessá-lo de vez em quando para acrescentar um ou mais dados que demonstrassem suas novas conquistas e habilidades. Simples assim. É verdade que hoje já contamos com sites e rede sociais onde podemos apresentar nosso perfil profissional, como o LinkedIn. Embora os defensores dessas ferramentas as apontem como substitutas do tradicional currículo de papel, há aqueles que defendem com unhas e dentes a importância do documento impresso. Em artigo publicado no site Glassdoor.com, a especialista em carreiras e sócia da empresa CareerTrend, Jacqui Barrett-Poindexter, embora reconheça a importância desses novos recursos proporcionados pela internet, aponta problemas relacionados aos perfis profissionais on-line. Confira abaixo:

Currículos on-line estão limitados devido à contagem de caracteres
Cada seção tem um determinado número de caracteres que o usuário pode utilizar. Uma vez completados, o texto é cortado. Embora a contagem de caracteres para os currículos on-line pareça adequada, isso limita a criatividade e a flexibilidade. Nem todo currículo é igual e descrever a experiência em cada cargo pode exigir um número maior de caracteres. Ou seja, um só tamanho não serve para todos.

Currículos on-line oferecem recursos de design limitados
Se o profissional deseja incorporar um gráfico ao seu currículo on-line para impressionar o leitor, não vai poder. É até possível criar slide-shares e outros recursos visuais, como anexos para o seu perfil no LinkedIn, por exemplo, mas essa tática não é tão simples, flexível ou visualmente maleável como deslizar uma imagem diretamente do seu arquivo e imprimi-lo. Mais uma vez, não é possível usar a criatividade no documento on-line, pois são pré-programados. Se a pessoa quiser enfatizar algumas palavras, um título ou uma frase, não pode utilizar o negrito, aplicar fontes únicas ou incorporar traços de cor. Um currículo on-line fica apagado, se for comparado a alguns documentos criados no Word.

Perfis são todos parecidos
Independentemente dos recursos utilizados para chamar a atenção, mesmo que a pessoa inteligentemente use ferramentas especiais para ressaltar suas competências e realizações, reorganize as seções, adicione slide-shares ou arquivos externos e assim por diante, o seu perfil vai sempre ficar parecido com o do candidato seguinte, já que o modelo é padronizado.

Às vezes, é público em demasia
O profissional pode estar disposto a divulgar determinadas informações para pessoas específicas, de forma mais privada, ao invés de compartilhá-las em seu perfil on-line, acessado publicamente. Particularmente, se a pessoa está empregada, pode optar por usar seu perfil do LinkedIn como um veículo de marketing pessoal, para aumentar sua visibilidade dentro e fora de sua atual empresa. Em outras palavras, se está empregado atualmente, o perfil on-line pode servir para “vender” o profissional para clientes, parceiros estratégicos etc, enquanto o currículo tradicional, aquele preparado cuidadosamente no Word, pode ressaltar suas competências para uma vaga específica, em uma outra companhia.

Em última instância, os perfis são de propriedade da LinkedIn
Sim, uma vez que você se inscreveu em uma URL, em teoria, você é dono deste endereço na web até abandoná-lo. No caso do LinkedIn, a realidade é outra, pois a rede social pertence a uma entidade corporativa, e não a você. Na opinião de Jacqui, todo mundo deveria ter o seu próprio currículo pessoal off-line e de fácil acesso (que tal mantê-lo atualizado em um pen drive), para inclusive não correr o risco de perder todos os dados por problemas de tecnologia fora de seu controle.
De acordo com a especialista americana, escrever e manter um currículo focado e convincente é essencial para a carreira de qualquer pessoa e para a busca por um novo emprego.
“Embora o processo inicial pareça assustador, não deixe que isto atrapalhe seus esforços. Construir um perfil profissional no LinkedIn pode parecer o recurso mais fácil para seu sucesso na conquista de um emprego, mas não é. Aproveite o tempo,e faça um esforço intelectual para construir um currículo robusto, com dados significativos e convincente, e depois, sim, a partir deste conteúdo, crie seu perfil on-line”, aconselha Jacqui.

Fonte O Globo  Online